Como trabalhamos na Pitá

É curioso verificar que a revolução digital impactou radicalmente na organização das empresas modernas, porém pouco afetou os escritórios de arquitetura. Estes ainda mantendo o formalismo hierárquico, com diretores, gerentes, coordenadores – sempre dotados de siglas bem imponentes, ou ainda, numa estrutura centralizadora erroneamente enaltecida por uma só mente criativa.

Grandes empresas mudaram, as novas “.com” trouxeram abordagens criativas a estrutura administrativa, as empresas de comunicação retiraram a figura emblemática de uma só cabeça criadora e mesmo as consultorias tão hierarquizadas, se reestruturaram para que houvesse uma estrutura colaborativa e decisões compartilhadas.

Com tantas mudanças ao nosso redor, foi natural na Pitá arquitetura, após um período de debates e análises, também mudar. Mudamos porque o mundo tem outra velocidade. Mudamos porque nossos clientes querem receber um approach não hierarquizado. Mudamos porque está no nosso DNA respeitar cada uma das pessoas que fizeram a Pitá ser o que é.

Na Pitá, a estrutura é caórdica ( caos + ordem ) , com arquitetos dividindo tarefas e decisões administrativas. Não existe a figura máxima do chefe, e sim, arquitetos desempenhando funções que se complementam. Essa estrutura, muito orgânica, respeita a natureza de cada membro, seja ela comercial, administrativa, criativa, inspiradora, técnica, organizadora, etc. Cada arquiteto trabalha dentro do que tem mais afinidade, dando o seu melhor.

Para temas de relevância e que precisam de mais tempo para definições, uma pequena e ágil equipe pode ser criada para a melhor solução. As grandes decisões são naturalmente debatidas por todos em grande grupo, para uma votação. Um grande exemplo disso foi a decisão de ampliar a licença a maternidade para 05 meses, 20 dias para paternidade e incluir 05 meses para adotantes.

Sobre finanças, todos os números são abertos e debatidos mensalmente – sabemos como estamos financeiramente, se lucramos ou não. E o porque e onde gastamos! Parece estranho, mas isso não pode ser um tabu numa empresa que quer ser transparente. O resultado disso é que ao final do ano, sabemos como chegamos na distribuição de lucro.

As férias são outra questão que tentamos nos adequar a demanda de um mundo moderno. Temos 20 dias úteis pagos que podem ser feitos em blocos de 05, 10, 15 ou 20 dias úteis ( 30 dias corridos ). Porém esse número é apenas contabilizado para o que se é pago. Um arquiteto, pode decidir estender mais dias não pagos. Dado que não trabalhamos entre natal e ano novo, como essa forma de organizar as férias, podemos gastar esses dias não pagos nesse período, não afetando as férias pagas ao longo do ano. Parece bom não? Com certeza é, mas o trabalho ao longo do ano é bem intenso e esses dias a mais muitas vezes vem em boa hora.

Falando em flexibilidade, a Pitá entende que o mundo atual precisa respeitar o relógio biológico de cada colaborador. O que importa é que o cliente seja atendido no seu horário de acordo com suas demandas. Horário de chegada e saída ou home office é uma responsabilidade de cada Pitáio. Seria estranho cobrar um horário fixo de cada colaborador em processos que não demandam rigidez processual. Além disso o foco é a entrega de cada profissional, não a presença física.

Ainda completando, conhecer é criar. Apostamos no conhecimento como forma de ampliar a capacidade de criação das pessoas. Viagens são estimuladas e sempre apoiadas financeiramente quando podem reverter em algo concreto a toda a equipe. Um programa de estadia paga em NY foi criado na Pitá para que um arquiteto passe um mês a cada semestre na grande maça, absorvendo arquitetura, arte, música, life style, moda. É um momento que a cada semestre, um profissional é escolhido para vivenciar esse outro olhar e acrescentar um pouco mais a equipe em seu retorno.

Obviamente que nem tudo é um jardim de flores. Os desafios diários numa estrutura como a Pitá são grandes, o trabalho é intenso e os projetos demandam emocionalmente muito de cada profissional. Mas o resultado prático, em que transformamos espaços, em narrativas inspiradoras, que expressam identidades únicas nos faz querer sempre mais, e aos nossos clientes também.